16 de fevereiro de 2014

Há um gozo no adeus




Desafio Poético com Imagens (no face) : Imagem de Manuel Vason


Há um gozo
no adeus

: volúpias
amargas 
sob faces
provisórias.

O choro
umedece
o sexo;
as peles
esfregam-se ao
inaugurar fronteiras.

Na excitação
dos sentidos
a morte vem
de lingerie preta
e se ri dos amores
que se findam.

No coito trêmulo
da despedida é preciso

...entrega!

21 comentários:

jose reginaldo disse...

Similaridade nos olhares,de fato constato sincronia,estamos na mesma sintonia irmanados pela poesia.beijos .

Assis Freitas disse...

"a morte vem de lingerie preta"

e esconde a foice na língua



beijoooos

J Ribas disse...

há alguma coisa de partida em cada beijo, o abraço inaugura distâncias! belíssimo texto!abraços!

José Carlos Sant Anna disse...

Aqui o segredo é não perder o ritmo porque fragmentado, multiforme, o discurso poético se instaura só na aparência como o lugar da dispersão, pois pausas, interrupções, adiamentos, recomeços marcam a tensão desse jogo. O poema dá conta dos movimentos próprios do amor...
Beijos, Tania

cirandeira disse...

Há coitos que se renovam a cada adeus, onde a morte pode trocar de lingerie e vestir-se de arco-íris!

beijos, Tania

Celso Mendes disse...

A mesma entrega que se precisa dar às palavras que querem expressar o poeta. Delicioso, Tânia!
Beijo.

José Carlos Sant Anna disse...

Há um gozo na realidade viva deste poema, na dinâmica da linguagem, na ativação da palavra poética, buscando encontrar significação pelas entrelinhas do discurso. É a palavra criando no interior do próprio poema. Um belo gozo, Tania. Ou um belo poema!
Beijos, Tania!

Andrea de Godoy Neto disse...

Concordo com o José Carlos, este poema é um gozo, Tania!

eu adorei como ele me levou. (eu não consegui escrever para esta imagem :)

beijoss

Cris de Souza disse...

Quem não se entrega a uma leitura dessas?

Maravilha, violeta!

Beijão.

Graça Pires disse...

Sensualidade. Gozo. Adeus. Só o poeta consegue conjugar tão bem estas palavras.
Beijo.

Primeira Pessoa disse...

taninha,
todo gozo é uma morte.
ou não é pleno.

beijão,
r.

Cecília Romeu disse...

Taninha,

entre as pequenas mortes e a grande morte, dois corpos que conjugam ires e vires. Ora em sujeito oculto, ora em sujeito indeterminado, mas verbo inteiro explorado em terminações nervosas (as que terminam e as que explodem :)

Um belo poema e sentires tantos.

Grande beijo, poeta-inteira!



jorge pimenta disse...

e, de repente, levas-me ao encontro de Garrett, neste jogo de vidas e mortes, gozo e dor, no poema justamente com esse título:

Gozo e Dor

Se estou contente, querida,
Com esta imensa ternura
De que me enche o teu amor?
- Não. Ai não; falta-me a vida;
Sucumbe-me a alma à ventura:
O excesso de gozo é dor.

Dói-me a alma, sim; e a tristeza
Vaga, inerte e sem motivo,
No coração me poisou.
Absorto em tua beleza,
Não sei se morro ou se vivo,
Porque a vida me parou.

É que não há ser bastante
Para este gozar sem fim
Que me inunda o coração.
Tremo dele, e delirante
Sinto que se exaure em mim
Ou a vida - ou a razão.

beijos, taninha!

marlene edir severino disse...

O gozo prenuncia a morte.

Extravasar. Nada (de)mais.

Beijão, Tânia!

Ira Buscacio disse...

o gozo derradeiro, mais que entrega desesperada, é amputação.

poema de içar peles

bj, minha queridaça

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Há no adeus
muitas vezes,
uma vontade
intensa de ficar...

Que o amor nos vista a vida,
com as suas mais intensas cores...

Eleonora Marino Duarte disse...

FORTE!

«infinito enquanto dure», mesmo na hora derradeira. amei, Tanita.

FELIZ DIA INTERNACIONAL DAS MULHERES, QUERIDA. UM BEIJO IMENSO!

Adri Aleixo disse...

Estou te procurando desde ontem. Onde estás?

Adri Aleixo disse...

Tá tudo bem, Taninha?

Graça Pereira disse...

Para tudo ser perfeito...é preciso entrega, ainda que seja num adeus..
Estive ausente do meu blogue mas..voltei e estou visitando os amigos.
Por aqui, vejo que continua tudo lindo...ainda bem!
beijão
Graça

Verso Aberto disse...

no calor
da chegada
- rompimento

na saída
o mesmo fascínio
pela dor

belo Tânia
abração