17 de abril de 2013

Reflexo





salta do espelho
incompleta
sem os pés
que não pude mirar
nos caminhos
que não pude seguir.

era meu reflexo
insistindo
em existir sem mim
propondo-me um fim
entre o sincronismo
de nossos gestos.

– chega mais perto e te olhas!
e busquei a intimidade
das retinas
acariciei a superfície
sem fundo do espelho.

o reflexo
arrastou-me
para seu mundo
sem fundo
e eis-me agora
prisioneira do espelho
a estender
como pedinte
os braços:
– tira-me, tira-me daqui...
deixa-me existir novamente!

11 comentários:

Assis Freitas disse...

eu sempre quis saber o que há por trás do espelho, mas nunca ousei


beijo

José Carlos Sant Anna disse...

Essa utopia é a própria arte, fazendo emergir o ainda não dito.
beijoss,

Tatiana disse...

Espelho, espelho meu, existe alguém mais bela do que você? ;)

Um beijo, Taninha querida

Pablo Rocha disse...

Os reflexos sempre nos assombram e nem sei dizer se são nossos ou somos deles. Intrigante e gostoso de refletir, Tânia!

Beijos!

Fred Caju disse...

Massa demais! E Assis é um brincante.

eurico portugal disse...

o espelho e o reflexo: a-simetria de todas as formas.

beijo, taninha!

Jota Effe Esse disse...

Eu também tive a curiosidade de saber o que está atrás do espelho, mas ao passar a mão nada encontrei. Fiquei na minha. Meu beijo.

Sônia Brandão disse...

Na eternidade baça do espelho
dois olhos perdidos me olham.

bjs

cirandeira disse...

Somos o próprio espelho: nos confundimos e aos que nos miram -
miragem da miragem :)

beijos, Tânia (saudades!)

Cris de Souza disse...

Como vovó já dizia: " espelhos deveriam pensar duas vezes antes de refletir. "

Beijo, violeta!

Anônimo disse...

Há muito escondido no espelho! Muito lindo, Tânia!

Tânia, sou o Carlos, do extinto blog Janela Descoberta.