17 de fevereiro de 2013

Esperança: a Natureza como oráculo






Crer é descrer – disse de mim pra mim dia desses.  No momento em que me dei conta de que o rosto que eu via no espelho não era real, que eu acumulara máscaras sobre máscaras ao longo da existência, entendi também que a face do deus que me mostraram desde a infância também não era real. Se eu usava máscaras, deus também usava. E fui querer arrancar as máscaras do criador, se é que ele existia.

Caminhos árduos os de quem busca decifrar os mistérios maiores sem compreender os pequenos mistérios. Um dia li que o Mestre era a última ilusão a ser removida no caminho iniciático. E eu já estava atolada em tantas ilusões. Como um relâmpago, um pensamento cortou minha mente e me atordoou: deus é a última ilusão a ser vencida. Como assim? Não, não. Sim, sim, sim. Mas quem não teme buscar as verdades não pode temer a dúvida. “Deus é o inconsciente” – viera Krishnarmurti incendiar os conflitos tempos depois. Não foi assim que acabei querendo caminhar para trás e buscar primitivamente a crença num criador.

De deuses raivosos a deuses complexos, fui encontrando, aturdida, várias facetas de um criador, que se afastava de mim mais e mais, quase desaparecendo num emaranhado de terminologias, hierarquias, esquizofrenias. E, se do lado de fora estava tudo cada vez mais confuso, eu precisava estar atenta ao mundo interior. Aos sonhos, sobretudo, que revelam a que altura da caminhada estamos.

Num sonho recente, o eu onírico precisava de ajuda e não sabia a que deus recorrer. O momento era urgente, não era possível perder tempo. Sem muito pensar, gritei: “Meus ancestrais, me ajudem!”. E a ajuda veio. Quem eram eles exatamente? – questionei, já acordada. Racionalmente, não sabia. Mas foi por eles que chamei convicta.  E lembrei da minha história, minha infância, quando um deus não se fazia tão necessário e visível, mas estava lá, de qualquer modo. Estava na Natureza, esse grande oráculo que respondia às minhas questões essenciais. Se a coruja piava sobre o telhado, algo de negativo estava sendo anunciado. Se a esperança – aquele bichinho verde – aparecia, podia acreditar que tudo daria certo. A borboleta dançando ou o beija-flor ruflando a asas sob os meus olhos apagavam todos os temores e anunciavam dias iluminados no futuro.

Os oráculos. Todos os povos da antiguidade tiveram oráculos – refleti algumas vezes. Conheciam instintivamente as analogias entre a mente individual e a mente cósmica. Dialogavam comumente com o mundo ao seu redor. De acordo com a sua referência cultural, os povos não deixaram de encontrar um meio de comunicação entre céu e terra, entre o particular e o coletivo. E a Natureza – essa que desaparece aos poucos da vida do homem – foi, por muito tempo, um grande oráculo para os antigos. Assim como continuou sendo para aqueles que puderam vivenciá-la nos primeiros anos de vida. Um oráculo que me faz falta a cada árvore derrubada, cada água poluída, cada animal extinto.

Fico assustada muitas vezes quando vejo a reação das pessoas diante da aparição de um inseto: “Mata, mata!”. Os bichinhos que eram mensageiros e ajudavam a confiar num futuro luminoso ou a atender o passado obscuro. Acredito que, em alguma parte de nós – mesmo os que não tiveram uma relação íntima com a Natureza – ,tudo isso tem existência forte, ainda tem voz, abafada por tantas outras referências que se fizeram mais “importantes” intelectualmente.

Sempre flertei com os oráculos mais populares: tarô, runas, I Ching... No entanto, nenhum me fala tão fortemente quanto a Natureza. Em relação a isso, lembro de muitas vezes em que obtive respostas através das árvores, dos pássaros, da chuva, do sol... Recentemente, indo a um bairro tradicional de Salvador, acompanhando uma amiga fotógrafa, que procurava escadarias para um ensaio, debruçamo-nos sobre uma murada onde havia delicadas flores vermelhas. Eu estava inquieta. De repente, um beija-flor aproximou-se inusitadamente de nós, numa distância tão mínima, que nos pareceu estranho. Silenciamos e olhamos cada um de seus movimentos. Ouvimos o ruflar de suas asas. O tempo parecia ter parado. De repente, alçou voo tão depressa que não pudemos acompanhá-lo com o olhar. Olhamos encantadas uma para outra e ouvi dela algo tão simples e belo, que traduziu tão bem o espírito de nossos ancestrais: “Deus olha por nós, não é?”.

Lá dentro de mim, por mais que qualquer teoria contradiga essa percepção, não há símbolos que me falem mais alto do que aqueles que conheci naturalmente na infância e adolescência. É tão difícil ver a esperança na cidade grande, cheia de concreto, com árvores que caem abaixo a cada dia; mas ela ainda aparece. O sentido da sua chegada continua o mesmo e o espanto de ela conseguir chegar à cidade só reforça a convicção no meu oráculo original: a Natureza!

Hoje, lamentavelmente, as crianças e jovens acordam e se desenvolvem sem a possibilidade dessa comunicação oracular com os bichos, as árvores, as pedras, os rios... Nos testes psicológicos, nas abordagens terapêuticas que utilizam a expressão artística como caminho, ainda podemos solicitar: “Desenhe uma árvore...”. E ainda sabem o que é árvore. Dia chegará em que perguntarão: “O que é isso?”. Ou desenharão um poste....

5 comentários:

eurico portugal disse...

taninha,
foi com alberto caeiro, heterónimo pessoano, que percebi como as sensações - forma privilegiada de nos relacionarmos com o mundo - nos aproximam da natureza e de deus, não sendo ambas uma só entidade, mas antes manifestações diversas do sentir. como os panteístas, afinal: ele manifesta-se em cada pequeno detalhe da natureza.

beijinho!

Assis Freitas disse...

este mergulhar-se anda difícil nesta contemporaneidade de imagens rotas, de pouca significação ao instante de contemplação, vive-se no rápido, no urgente



beijos

Tatiana disse...

Querida, quando o mistério é grande demais, as vezes vale até nem questiona-lo... Como diz Osho: apenas una-se ao mistério!
Beijin

AC disse...

Tânia,
Sou suspeito para comentar este seu belo texto, pois vivo no campo rodeado de passarada e arvoredo.
Direi apenas que me agradou sobremaneira.

Beijo :)

Verso Aberto disse...

é Tânia
quanto MISTÉRIO

mas
transcendendo

crer é se entregar a ele
coisa que a gente não deveria fazer só no fim da vida

bjs
e um ar sereno procê