9 de fevereiro de 2014

O trem





O adeus
congela mãos
entrelaçadas.

Parte
A estrada
Bifurcando
Dstinos.

7 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Belo poder de síntese poética.
Um abraço. Tenhas um lindo domingo.

Assis Freitas disse...

o adeus divide


beijo

Joelma B. disse...

e destino da gente é mata devastada!

beijos, taninha!

marlene edir severino disse...

Separa caminhos: corações partidos

Beijão, Tânia!

Ana Cecilia Romeu disse...

Sei bem como é isso Taninha...
mas sempre teremos o trem.

Grande beijo e agradeço muito tua presença por lá, me deixa radiante!

jorge pimenta disse...

é assim a estrada a bifurcar viagens no automóvel-coração que perdeu a curva...

belo e lúcido como nós; desafiador e lúcido como a vida. poesia maior! beijos, taninha!

Cris de Souza disse...

Nunca soube me despedir...

Outro beijo, querida!