27 de maio de 2013

I n T e i R a



*Imagem: Adam - one blood, many nations, de Lewis Lavoie. 
Versão em mosaico de detalhe da obra A criação de Adão, de Michelangelo


no inferno
sou totalidade
sombria.

nos céus
eu sou orgia
entre as
miríades
de mim.

8 comentários:

António Eduardo Lico disse...

Bela poesia.

marlene edir severino disse...

Incompletudes.
Mas há completude
na essência!

Beijo, Tania!

Assis Freitas disse...

esses tantos, tantos

(miríade é uma palavra de amplidão)

beijo

cirandeira disse...

Fico imaginando como serás quando os dois se encontram -:-:) ??

beijosss

Sônia Brandão disse...

E entre céus e inferno essa inteireza continua.

bjs

José Carlos Sant Anna disse...

A perfeita a marcação nas palavras e no sentido nos dá um poema forte e belo.
beijos,

eurico portugal disse...

ser simultaneamente totalidade sombria e orgia, à margem de céus e infernos: a completude - sem mais ou quases...

adorei, querida amiga! beijo meu!

Cris de Souza disse...

Interna mente!