9 de abril de 2013

O grande evento







faltam
quinze minutos
pra nada.

isso me assusta
está quase na hora
de nada acontecer
e meu coração
disparado
sabe do inevitável.

faltam apenas
quinze minutos
tempo de retocar
a maquiagem
repassar a lista
de convidados
cuidar para que
todos sejam
bem servidos
e saiam com
a feliz sensação
de que não aconteceu
nada
nada
nada
nada
nada
nada...

7 comentários:

José Carlos Sant Anna disse...

Todas as coisas são pequenas, Tânia. Menos a sua dicção poética que encontra sempre o caminho para nos levar à reflexão, às vezes, com ironia, como agora, outras com humor. A ilustração ao poema é um achado.
beijoss,

cirandeira disse...

Nademos, Tânia, nademos até alcançarmos o último degrau do vazio. Quem sabe de lá alcançaremos o infinito, rumo à Poesia!

Bjus

dade amorim disse...

Um achado - o poema e a ilustração - que têm tudo a ver.

Beijo.

eurico portugal disse...

porque nada define
porque nada é
porque nada tem estrelas nos dedos a bater-nos à porta, enquanto os ponteiros adormecem no pulso...
nada... e mais perto estamos de tudo.

adorei, taninha!

beijo meu!

Fred Caju disse...

Sobram 15 minutos pra nada.

Wilson Caritta disse...

Seu poema me lembra uma canção na voz de Elis Regina...

em um dos versos ela canta:

e não adiantou nada,
o banho de ervas...!!!

É o tempo de retocar a maquiagem e seguir ao sol! bjos!

Cris de Souza disse...

Por nada perco o agora!