7 de junho de 2010

Palavra de cristal


Tem textura de cristal

a palavra que eu não digo.

Doce era o olhar

Cálido o abrigo

Do seu peito nu.

Agora é vã a espera

Do súbito clarão

Que precedia o verbo

No infinitivo.

Tem textura de cristal

a palavra que eu não digo.


(T.C)



31 comentários:

Cristiano Contreiras disse...

Eis a palavra que não diz: "eu te amo".

Tania regina Contreiras disse...

Bem, "te amo" é uma expressão, não é exatamente uma palavra, e a palavra que eu não digo é a palavra que eu não digo! rs

Beijo, Cris

Lua Nova disse...

Esperar em vão é uma das realidades mais tristes que um coração pode enfrentar. A palavra que não se diz, nesse caso, também. Mas, nada na vida é definitivo.
Uma semana cheia de esperança pra vc.
Beijos.

A.S. disse...

As palavras que teus lábios cativam, o olhar as liberta!!!


Beijosss
AL

Mila disse...

A palavra que não dizemos geralmente é aquela que causa impacto mais dentro que fora...
Lindos versos!
Bjs Tania!
Mila Lopes

Flávio Henrique disse...

pois por vezes temos palavras que nao dizemos mesmo porque temos medo da reaação de cada um daqueles que a merecem ouvir... :)

mui bom poste mesmo

bjinho

www.downinaholenow.blogspot.com
ass: flávio Henrique

Flávio Henrique disse...

pois por vezes temos palavras que nao dizemos mesmo porque temos medo da reaação de cada um daqueles que a merecem ouvir... :)

mui bom poste mesmo

bjinho

www.downinaholenow.blogspot.com
ass: flávio Henrique

Cristiano Contreiras disse...

"Eu te amo" tem toda a força de uma palavra inteira, acredite. rs

Machado de Carlos disse...

Quando é Cristal é Maravilhoso! Belo seu Poema!

P.S. (Temos novidades por lá-Especial).

Tania regina Contreiras disse...

Lua Nova, Mila, Flávio, obrigada pela força, grata pela presença de todos vocês.
Beijos

Cris, cê errou na palavra, mas, sim, seu eu te amo tem força sim.Só que não foi essa a palavra que não disse e não direi...rs
Beijos

Machado, já fdui lá, sou mesmocuriosa! rs A Musa de hoje é a própria...

Beijos,
TAnia

Bípede Falante disse...

Poema enigmático. Textura enigmática a do cristal feito a altas temperaturas e depois frio no toque.
Maravilhoso, Tânia.

Tania regina Contreiras disse...

Beijos, amiga Bípede, acho que enigmática estou eu...decifro-me ou me devoro! rs

Djabal disse...

"O mundo é filtrado pelo eu, que, como um cristal, produz um combate de luz e sombra, certeza e inquietação."

É isso. Este é o comentário de um outro poeta, Marco Lucchesi, e que adapta ao sentir da sua poesia em mim. Obrigado. Felicidades.

Assis Freitas disse...

cálido o abrigo dos versos, e cristal é palavra quase a se quebrar,

abraço

Santa Cruz disse...

Olá Tania; mais uma linda poesia gostei menina, dessejo-te um bom dia e bons poemas.
Um beijo
Santa Cruz

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

"Agora é vã a espera

Do súbito clarão" já esperei por esse clarão, que nunca me apreceu nem súbito e nem nada...
agora leio poemas e espero em mim a vã luz

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

"Agora é vã a espera

Do súbito clarão" já esperei por esse clarão, que nunca me apreceu nem súbito e nem nada...
agora leio poemas e espero em mim a vã luz

Anônimo disse...

Oi Tânia,

Você me fez lembrar do Fagner, viu? quando ele diz:
"só uma palavra me devora, aquela que meu coração não diz..."
Gosto tanto de cristais, cabe-nos esperar pelo momento exato do dizer!... Se é que haverá tal exatidão, pois o tempo do coração é outro, e se é que haverá esse momento, embora haja...

bjo,

SaudadeS!
Sam

Adriana Karnal disse...

cristais e palavras curam. Sua poesia tem as duas...belo!

Por que você faz poema? disse...

Por mais que seja dura
a palavra sempre quebra,
mesmo sem agua mole.

Machado de Carlos disse...

Monte Aprazível

Movem flores na tríade divina!...
Os dias ao luar: — A mente vislumbra!...
Nossos corpos unem-se e alumbra
Todos os néctares da colina!

Estou a contemplar-te: — menina...
Altiva unem lábios na penumbra,
—Perdemo-nos nas cores; — em suma
Raro perfume enfeita; — alma felina!...

- A Rainha chegou com seus florins
Zeus enfeitou de rosas os jardins
Incrível teus cabelos: - um anelo!...

Vi teus lábios tal qual um vulcão
Eles encantam meu coração
Livres... Soltos... Estamos no mar vermelho!...

Machado de Carlos

lucidreira disse...

Claro que não diria, nem eu direi a palavra, pois as mesmas são tão frageis e doce que pode se quebrar como os cristais.
Abraço

Juan Moravagine Carneiro disse...

Palavras não ditas que acabam por serem representadas das mais variadas formas...

intenso e belo escrito

agradecido pelas suas visitas ao Rembrandt

abraço

Gerana Damulakis disse...

Ah, Tania, gostei tanto, li 2 vezes, belo belo belo.

Marcantonio disse...

Belo sim. É algo que importa: que a palavra-cristal impressa seja prisma, que divida a luz em matizes, vibrantes ou sombrios, mas variados. Porque essa luz volta dos olhos alheios, recomposta, para os seus próprios olhos.
Não é fundamental que a palavra não dita possa resplandecer como um clarão entre aquelas que cantam essa impossibilidade de a proferir?

Um abraço, dito e real.

Hana disse...

Olá querida, vim deixar um oizinho meu abraço e te ler, e sair daki com tanta ternura no coração, esta que vc passou pra gente, em cada escrito seu. obrigada.
com carinho
Hana

Ivan Bueno disse...

Tânia,
Acabo de chegar ao seu blog, e que boa surpresa, que boa descoberta! Estou só começando a ler, mas que bom começo. Que belo poema: ritmico, belo e cristalino.
Continuo lendo e já sou seguidor.
Fica o convite para conhecer meu espaço, Empirismo Vernacular, ler, comentar, seguir, trocar ideias, enfim, coisas de quem escreve e toca, como você. Será um prazer te receber por lá.
Beijo grande,

Ivan Bueno
blog: Empirismo Vernacular
www.eng-ivanbueno.blogspot.com

Tania regina Contreiras disse...

Caros parceiros, obrigada pela presença e participação de vocês, com comentários gentis, observações interessantes, estímulos etc. etc. O Roxo-violeta fecha por algum tempo para balanço, mas continuarei tendo o prazer de ler vocês em suas casas, que já são umpouquinho a minha csa também.

Até a volta,
Abraços,
Tânia

ju rigoni disse...

Que lindo, Tania!

Nosso silêncio é útero onde são gestadas palavras que nem sempre trazemos à luz.

As suas têm textura de um cristal que só você conhece em brilho e transparência. À perceber, só a dissonância de uma separação; e palavras que abrem uma fenda que leva a outras palavras tais como o verbo amar...

Bjs, poeta. Espero que esteja tudo bem por aí, com você. Se desejar, me escreva. jurr@bol.com.br Inté!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

suspirei....
é a tradução de meu entendimento...
as palavras que não disse!

Luciano Azevedo disse...

Lindo poema. Bjo e ótima terça.