23 de maio de 2010

A vida dura menos que um poema


Há dois dias, Ediney, do blog Ediney: Non, je ne regrette rien, anunciou a morte do poeta Damário da Cruz e escreveu algumas linhas sobre ele, numa mais do que merecida homenagem. Hoje, recebi de Bete uma mensagem, juntamente com o pedido de que seja divulgado o poema, conforme parece ter sido a vontade do poeta. A mensagem foi enviada por e-mail a Tom, marido de uma colega de trabalho de Bete e amigo de Damário da Cruz. Eis a despedida do poeta.
Gran finale
Avise aos amigos
que preparo o último verso.
A vida
dura menos que um poema
e no alvorecer mais próximo saio de cena.
(Damário da Cruz)

50 comentários:

Renata Bezerra disse...

Triste e bonito... Como a vida dos verdadeiros poetas.

Beijo, Tânia.

Assis Freitas disse...

o poeta se foi em carne, as palavram continuam vivas. abraço

Bípede Falante disse...

Ando na maior foça ou fossa, sei lá como se escreve, por estar ocupada com o que não gosto nessa minha curta existência.

A.S. disse...

Tânia...

Um poema é a eternidade perante a fragilidade da vida!

Beijosss
AL

Leonardo B. disse...

[Por um poeta, todos os minutos de silêncio são poucos... o mundo emudece um pouco mais]

Tânia regina Contreiras disse...

Renata, sim, triste e belo. Mesmo na partida, os poetas sabem deixar a marca da beleza.

Beijos,
Tânia

Hana disse...

Vim te ler, tudo bem? Adoro seu cantinho, é confortavel é adoravel, obrigada peloo seu carinho em meu cantinho da harmonia!
com carinho
Hana

Tânia regina Contreiras disse...

Bonito é isso, não, Assis: fica a marca, não tem como apagar!

Beijos,
Tânia

Tânia regina Contreiras disse...

Bípede...sim, é preciso encontrar o prazer de realizar, porque esse é o diferencial na hora da partida.

Beijos,
Tânia

Tânia regina Contreiras disse...

A.L., sim, é verdade, o poema é terno e eterniza o poeta!

Obrigada pela presença...

Beijos

Tânia regina Contreiras disse...

Leonardo, eis aí um silêncio, e acabei há pouco de comentar o silêncio no seu espaço. A vida é assim, há partidas, fazer o quê?

Abraços,

Tânia regina Contreiras disse...

Oi, Hana, obrigada por vir e um grande abraço pra você!

Juan Moravagine Carneiro disse...

Tenho certeza que mesmo em sua ausência ele estará presente...não só através de seus versos...mas também de suas pegadas que deixou aqui...seus rastros...sua marca no tempo e no mundo!

abraço!

Tânia regina Contreiras disse...

É verdade, Juan... Damário está nas camisetas, está nos pôsteres de várias paredes, É um poeta que foi (e continua indo) onde o povo está!

Grata pela presença,
Abraços,
Tânia

Mulher na Polícia disse...

Tânia...

Isso é de tirar o fôlego.
Eu volto.

Tânia regina Contreiras disse...

Mulher na polícia...rs...gostei muito da sua narrativa, estive visitando agora seu blog. Grata pela presença aqui.

Abraço,
Tânia

Gerana Damulakis disse...

A homenagem da Bahia na blogosfera, homenagem que surgiu naturalmente, foi muito bonita: todos nós colocamos o poema que Damário escreveu antes de morrer.
O que pode ser traduzido por comunhão, ele foi um poeta que mereceu (merece) nosso respeito e admiração.

Marcantonio disse...

É de emudecer. Um dia a morte mostra a estranha relação entre arte e vida. As palavras permanecem inquietas, enquanto tudo mais parece se pacificar.

Machado de Carlos disse...

O poeta um dia deve partir, mas ficará para sempre a poesia. Então devemos entender que o poeta nunca morrerá. Deixou suas marcas para a posteridade.

Tânia regina Contreiras disse...

Gerana, sim, o Damásio continua merecendo nossa admiração e respeito. E ele anda por aí, em todos os lugares onde entrou e ficou.

Beijos,
Tânia

É verdade, sim, Marquinho. vopcê descreveu bem. Foi-se o Damário!

Abraços


Machado, e o poeta não morre nunca, porque a alma está espalhada em forma de versos.

Beijo
TAnia

Mila disse...

Olá Tânia!
Já essa postagem em dois blogs e fico arrepiada quando vejo, pois contemplo a força das palavras escritas, elas se propagam...
Bjs
Mila

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Adorei!

Tânia regina Contreiras disse...

Pois é, Mila, nossa homenagem, merecida, ao Damário, que calou-se sem calar.

Beijos

Tânia regina Contreiras disse...

Olá, Rebeca, obrigada por aparecer por aqui.

abraços,

Maria Emilia Xavier disse...

Um homem da palavra - Poeta,Trvador, Escritor, Cronista... - nem a morte cala, sua obra é a testemunha viva que por aqui ele esteve e vidas enriqueceu, modificou, Ou simplesmente alegrou...

Tânia regina Contreiras disse...

Maria Emília, é verdade. O poeta não esquece o verso nem à saída.

Abraços,
Tânia

Silenciosamente ouvindo... disse...

Tânia é sempre triste quando um
poeta parte, o bom é ficar a sua
obra.
Beijinho e obrigada pela visita
que me fez.
Irene

Tânia regina Contreiras disse...

É triste, sim, Irene, mas a lucidez da partida e o último verso já diz tudo: que não foi, ficou.
Bjos

Maria Vieira disse...

e ainda teve o que dizer, ai está o gran finale: poder dizer. lindo.

Emilia disse...

Impressionante a lucidez do poeta.
Inesquecíveis as suas palavras.
A imortalidade conquistada na simplicidade das suas palavras.
Uma abraço Tânia.

Tânia regina Contreiras disse...

Meninas, sim, o adeus do poeta pôde vir em verso, e é muito, muito significativo.
Beijos, Maria, beijos Emília

Machado de Carlos disse...

O "Último Soneto" é o fim de uma fase! Apenas!...

Pablo Rocha disse...

Tania, seu post trouxe a mim imagens tão necessárias e por vezes esquecidas que devo lhe agradecer por ter me atingido assim! Obrigado!

Beijos!

Marly disse...

Não saiu de cena. Ele é o poema. O homem se eterniza na sua arte.
Pra mim também é bom estar aqui.
Ah!obrigada pela dica do blog. Adorei.
bjs

Adriana Karnal disse...

pois li no blog "je ne regrette..." sobre a mtrte do poeta, e fiquei muito sensibiliada.Esse "adeus" é um último poema, lindo de doer.

Tânia regina Contreiras disse...

Machado, Pablo, Marli e Adriana: grata pela presença de vocês. A morte traz sempre um sentimento de impotência, mas o poeta trouxe-nos mais que isso, versos de despedida!

Abraços,
Tânia

Tânia regina Contreiras disse...

Cristiano, você passou por aqui, mas seu comentário...sumiu! Tá vendo, você fica sumido que até os comentários são voláteis, evaporou! rs

Beijos

Silenciosamente ouvindo... disse...

Tânia o blogger está a dificultar-me abrir comentários ou enviar...
daí que se eu falhar consigo, me
desculpe, mas é por este problema
técnico.
Muitos beijinhos/Irene

Tânia regina Contreiras disse...

Fique tranquila, Irene, isso aqui é complicado às vezes. Há comentários que liero e desaparecem como que por encanto.

Beijos

Tânia Marques disse...

Consciente o poeta, morreu em sua lucidez lírica, mas estará vivo e multiplicando-se através dos tempos, pois sua vida era a arte registrada em poesia. A propósito, qual foi a causa de sua morte? Beijos

Primeira Pessoa disse...

a vida dura exatamente um poema.
como machado de assis escreveu em dom casmurro...
"que a terra lhe seja leve"...

e a vida segue...
menos graciosa, é verdade.
menos leve e menos bela.
mas, ainda sim, segue...

beijão, tânia!

Anônimo disse...

Querida Amiga,

Estou cá a pensar o que é "uma vida durar menos que um poema"...
Independente do que quer seja, já tomei uma decisão: entre viver e poetizar, optei por ficar com a poesia... assim, quem sabe, vivrrei as duas coisas ao mesmo tempo!...

obrigado poeta!

Bjo.
Sam

Tânia regina Contreiras disse...

Tânia, soube que o Damário tinha um câncer no pulmão, não sei se procede. Ouvi, inclusive que o excesso de cigarros que consumia foi o responsável, eu não sei. Damário morrer de viver intensamente e por isso não morreu.

Beijos e obrigada pela presença



Roberto, talvez você esteja mesmo certo, e a vida dure exatamente um poema. Mais exatamente: a vida é o poema!

Beijão



Querido Sam, não sei o que Damario quis dizer com isso, mas gostei da reparação que o Roberto fez acima: a vida dura exatamente um poema. Porque a vida é um poema, não seria?

Beijão, menino!

nina rizzi disse...

caramba, que poema bonito. ele vai, mas a poesia fica.

obrigada pela visita. gostei daqui, adoro os tons roxos, lamacentos, de nãnã :)

um beijo.

Tânia regina Contreiras disse...

Beijo grande, Nina!

Martinez disse...

muito interessante e bonito

Tânia regina Contreiras disse...

Obrigada, Martinez, pela visita, e um grande abraço.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Nossa...eu aqui me lamentando da vida......

Gisela Rosa disse...

impressionante Tânia como os poetas sentem tudo por dentro, diria mesmo desdobrando sua sensibilidade....e depois tudo é tão claro...

Um beijo enorme por esse seu post.

Tânia regina Contreiras disse...

Beijo, Gisela, obrigada pela presença.

Tânia