22 de janeiro de 2014

Maré vazante





         
Desafio Poético com Imagens /Arte: Angelo Musco

os homens
refluíram 
ao útero
: a Morte 
aconchega
como Mãe.

voltar
é um amontoado
de carnes perplexas;
almas gorjeando o regresso
pela garganta vaginal.

7 comentários:

Cris de Souza disse...

Que espanto!

Beijo, violeta rara*

silvioafonso disse...

.


Gostei muito do seu
espaço, Taninha.
Gostei dos textos, das
fotos e comentários.

Estou seguindo o seu
belo blog.

Siga o meu também,
vai!

Beijos.







.

Ana Cecilia Romeu disse...

Taninha,
fim e começo, extremos de um mesmo fio.

Beijos e obrigada pelas palavras por lá. Escrever a crônica sobre a tragédia de Santa Maria foi um desafio imenso, chorar e escrever ao mesmo tempo: extremos de um mesmo fio.

jorge pimenta disse...

viagem ao insondável mundo de dizeres e silêncios com que se escreve o mais complet(x)o universo feminino e algumas tragédias. ufa, que versos estes...


beijo meu, taninha!

Assis Freitas disse...

um paradoxal retorno

do fim ao começo


beijo

Adri Aleixo disse...

Um assombro, Taninha. Genial!

Amei essa imagem:)






















































José Carlos Sant Anna disse...

Às vezes, ficamos atônitos coma força do poema em direção ao mais recôndito, ao mais profundo, com o movimento de descer para ascender que as palavras nos escapam, embora elas estejam claramente postas no poema.
Beijos, Tania!