13 de novembro de 2013

No ventre da noite


Foto: S. Wakelin



É vital
Ter que descer.

Na noite
O líquido amniótico
Das sombras
Acolhe o embrião
Da eternidade.

7 comentários:

Cris de Souza disse...

Alerta

De noite
O bote
Nos cerca

...

Beijo, violeta rara!

cirandeira disse...

É pela boca da noite que o coração
recebe as gotas do orvalho e navega por mares desconhecidos...

beijos, poeta!

marlene edir severino disse...

A sombra
espreita
a luz

Beijão, Tânia!

jorge pimenta disse...

luz e sombra no ventre da eternidade. e logo somos um pouco de tudo, um quase tudo de nada.

beijinho!

Assis Freitas disse...

a eternidade viceja



beijo

José Carlos Sant Anna disse...

É vital
que a pedra dure
até a eternidade
e que não haja
escassez do nada.

Beijos, Tania!

Ana Cecilia Romeu disse...

Tudo parece começar pelo fim...
na noite há pássaros que sabem voar sem mesmo enxergar.

Beijos, Taninha!