18 de julho de 2013

O gorjeio da flor




Desafio Poético com Imagens Imagem:katerina Lomonosov





A flor canta
Enquanto rufla
As rubras asas de pétalas.

Seu canto é triste
E o perfume exala
A fragrância exótica
Da vida enjaulada.

Mas agora é tarde pra suavizar
Os contornos do delírio
E desistir do exílio de
Imagens vivas.

O pássaro
Já se vestiu de flor.
Trocou as asas de pena
Por voos acetinados.

Permaneceria estático
Não fossem os surtos eventuais
E a imaginação que funde
Os ferros das gaiolas adornadas.


Nas noites de
Lua cheia
A flor debate-se
Entre as grades
Da gaiola.

E a mulher chora
A dor da rosa
Que jamais alcançará
Os céus.


7 comentários:

Assis Freitas disse...

gorjeio não é palavra: é um silvo
flor não é ave, mas impele voos

beijo

Costea disse...

Poetry is written by you? Congratulations. It is very beautiful.

cirandeira disse...

Rosa e poeta amalgamadas na mesma dor, na tristeza e na beleza do poema!!

beijosss

eurico portugal disse...

pequenas metamorfoses no tecido dos sonhos onde até as jaulas têm asas e mel a escorrer dos lábios.

tão bonito, taninha! beijos!

AC disse...

A posse de algo transforma-se sempre em limitação.

Beijo :)

José Carlos Sant Anna disse...

Este amalgama na construção do sentido do poema é de uma beleza rara; o deslocamento metonímico da "gaiola" também confere ao poema singularidade. É bom perceber tua criatividade...
beijos,

Cris de Souza disse...

Tocante! Feito pétalas, feito penas...

Outro beijo, querida.

(Tua escrita está cada vez mais apurada)