25 de junho de 2013

Escarlate




Imagem: web




a maldição
uniu o voo à ferida.

o pássaro sangra
quando abre as asas,
e a liberdade faz
um rastro escarlate
em torno do outeiro.

8 comentários:

António Eduardo Lico disse...

Bela poesia Tania.

Domingos Barroso disse...

Tania, há poemas que se calam
pela grandeza
...


beijo carinhoso.

José Carlos Sant Anna disse...

A liberdade na maioria das vezes tem um preço, Tania. Aqui não é diferente no simbólico voo do pássaro.
Beijos,

Assis Freitas disse...

rubro e alado
o pássaro
cumpre o fado



beijoo

Eleonora Marino Duarte disse...

gostei tanto...

voo difícil, voo vermelho...


um beijo, querida.

marlene edir severino disse...

Voar
é sua sina

Beijão, Tania!

Luciana Marinho disse...

imagem tocante.. o outeiro é o coração da gente.

beijos, tânia.

eurico portugal disse...

todo a ferida tem o seu voo, porque tudo o que dói se desprende para acabar só, num canto escuro.

beijos, taninha!