25 de janeiro de 2013

Asas e espera...

 
 
 
-  Por que estou sempre sozinho?
- Ah, porque você anda muito depressa!
- Mas ando no meu ritmo...
- Mas você não espera ninguém...
- Mas esse é o meu "ritmo de espera"...não o meu ritmo normal...
E, aborrecido, desescondeu as asas e voou pra longe.

18 comentários:

Assis Freitas disse...

voar conforme o ritmo do vento,


beijo

Verso Aberto disse...

asas não esperam
exasperam

como sua poesia

abs Tânia

Luciana Marinho disse...

que bonito, tânia! curta e intensa imagem sobre o tempo de cada um.

beijos!

eurico portugal disse...

passos descruzados, asas mais breves que o sol. e o tempo a passar no descompasso dos dias enquanto a pele envelhece sozinha.
inquietação.

beijos, taninha!

Fred Caju disse...

Quem tem asas é para voar.

Carlos Souza disse...

Bom quando lemos e enxergamo-nos em espelho, ainda que em pequenos (mas singelos) aspectos muito particulares.

Abraços, Tânia!

Ira Buscacio disse...

Taninha, eu conheço essa espera, esse ritmo, esse aborrecimento, e por fim, essas assas. Tudo tão idêntico a mim, que pensei ser eu.
Adoro quando me acho na poesia do outro, que agora é minha.
2 bjs grandes. Por essas asas e pelo comentário no beco

LauraAlberto disse...

voa ao teu sabor, com o teu vento
alguém um dia te há-de acompanhar

e voou assim para longe

beijinho

cirandeira disse...

A solidão é a companheira de todas as horas daquele que voa, mas quem voa sempre está buscando algo ou
alguém :)

beijoss, Tânia

Eleonora Marino Duarte disse...

Tanita...

para passo de pássaro é preciso outro pássaro!

:)

adorei!


Um beijo.

José Carlos Sant Anna disse...

Não é de medo que tremem as minhas asas, é pelo tempo que voa e as minhas asas não acompanham o ritmo do tempo. Nada como tempo e asas dissolutos (ou dissolutas?).
beijoss

AC disse...

A simplicidade fez-me soltar um sorriso.
Fabuloso, Tânia!

Beijo :)

Tatiana disse...

Tania, esse tri post de pressas e esperas me fazem mais lamentar o quanto terei que me apressar para recuperar tido que perdi por aqui.. :( beijobeijo

Adriana Riess Karnal disse...

fábula poética, adorei

Sônia Brandão disse...

Às vezes a solidão é o preço pelo dom de voar.

bjs

Sônia Brandão disse...

Ás vezes a solidão é o preço pelo dom de voar.

bjs

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

As vezes não
percebemos
que o ritmo
dos nossos passos,
não é o mesmo
ritmos
da alegria.

Que em teu coração,
a alegria faça morada...

luna luna disse...

Linda essa tua historia tão verdadeira e tão sentida, o encontro de almas é assim, penso eu, esta para lá das palavras que não expressam a sabedoria da alma
beijinhos