27 de julho de 2012

(Dos sonhos II): peixes que viram homens




Minha mente racional assustou-se em saber que havia uma ilha onde os peixes grandes poderiam ser transformados em homens. Parecia absurdo, mas era real. Em poucos instantes estávamos eu e mais duas irmãs a caminho do lugar onde aconteceria a magia,  ansiosas por conhecer a fórmula ou o que quer que fosse.

À beira mar, todas compreenderam rapidamente o que tinham de fazer e, assustada, assisti a transformação dos peixes em homens vistosos, seminus, dali em diante companheiros das duas vitoriosas. Eu, no entanto, não tive a mesma felicidade. Algo deu errado ou eu não tinha poder suficiente para tal façanha.

Uma mulher de roupa listada propôs-se a me ajudar e pediu-me para inclinar o corpo para frente, em direção às águas. Mal dobrei o corpo e senti nas costas um punhal rasgando a minha pele. Fui apunhalada pelas costas, enquanto ouvia a mulher sussurrar: o feitiço virou contra a feiticeira. Morri? Não sei. Acordei com o sentimento de que iria ser traída por alguém. Não pude ver o rosto da mulher, mas lembrei da roupa de listas azuis, que serviriam de pista para reconhecer, entre as pessoas de meu convívio, a traidora.

Um tecido comum. Encontrei-o na cortina da casa de uma irmã (será ela a me trair?), no vestido de uma colega de trabalho (quem me garante não ser ela?), no pijama de um senhor que morava do outro lado da rua. Paranóia, e agora?

Nem todos os sonhos pressagiam verdades. Os símbolos são a linguagem do inconsciente e é preciso que o decifremos com sabedoria. Com o tempo, descobri que a traidora que eu buscava encontrar na minha vida desperta...era eu mesma. A mulher de roupa listada era um aspecto sombrio meu. No exato momento em que eu iria transformar um animal num homem, elevar um aspecto instintivo ao nível humano, a sombra boicotou-me. Atacou-me pelas costas e impediu que um instinto alcançasse um nível superior, ganhasse uma consciência humana. O inimigo era eu mesma. Dessa fez não consegui, mas não desistiria.

6 comentários:

Assis Freitas disse...

me fez lembrar a lenda do boto amazônico. os símbolos perpassas neste inconsciente de mistérios que são os sonhos,



beijo

Ives disse...

As armas chegam com a experiência, e lutamos a cada momento!

Verso Aberto disse...

em sonho de lua cheia
o desassombro de uma sereia

sempre bom ler você

abs

Bípede Falante disse...

Tania,
como eu gostaria de ler melhor meus dias, minhas noites, minha vida.
tento, tento, tento.
beijoss

Vida disse...

Tantos sinais... mas serão mesmo? Ou serão os sonhos apenas um esforço de nosso subconsciente tentando processar todas as informações e sentimentos do dia? Não sei.. o que sei é que há sonhos que parecem mais reais do que consigo superar e acordo com sensações e sentimentos bem reais.
Adorei o texto.
Sigo contigo.

Jorge Pimenta disse...

há tanto neste aquário que escapa às minhas guelras...

beijo grande, taninha!