18 de janeiro de 2011

Cristal de fogo na pele


Rubis microscópicos
Rompendo meu corpo
E você falando de corte:
[Esqueça, que eu já não sangro:
Eu cristalizo fogo na pele.

Que reste então a cobiça
Pela dor vermelha
Que roubem os quartzos brancos
Que deslizam pela minha face
Que creiam que pela minha idade
Eu já mereça algum crédito.

No mais, que o analista me escute
Que se atormente com os meus delírios
Que enxergue os lírios tingidos de sangue
E explique minhas fúrias floridas
Através de seus compêndios.

Eu quero mais
[e quero mais e mais]
É nomear as coisas sem nomes
E dissolver os nomes
Que já não traduzem mais
Essa coisa larga
Espessa
Que vista de cima
Me causa aflição.
[Eu quero é ver de dentro.


Um presente de Marquinho (Marcantonio, do Azul Temporário):

ADVÉRBIOS


(Para Tânia R. Contreiras)

Não será neste estúdio fechado
Que pretendo ser plenamente.
Devo estar lá fora, en plein air
Tendo lições, na luz que houver,
Do que é viver anonimamente.
Isso requer deixar alguns nomes
Guardados aqui dentro, sem ar,
Sós, apenas nomes, literalmente
.

15 comentários:

Por que você faz poema? disse...

Também quero olhar por dentro,
me confundir com a poesia.

Mila Lopes disse...

Teus versos me encantam, encontro-me neles...

Bjs Tania

Mila

Zélia Guardiano disse...

Maravilhoso, Tania!
Maravilhoso!
Você está cada vez mais, mais e mais...
Encantou-me, querida!
Beijo com carinho

ju rigoni disse...

"Eu quero mais
[e quero mais e mais]
É nomear as coisas sem nomes
E dissolver os nomes
Que já não traduzem mais
Essa coisa larga
Espessa
Que vista de cima
Me causa aflição.
[Eu quero é ver de dentro. "

Tania, eu amo a sua lira.

Bjs, querida. Inté!

Rita Contreiras disse...

É a visão panorâmica, a visão mais profunda e larga...

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Penso que enaquanto
formos capazs de dissolver
o que não faz sentido,
ainda sentiremos
o gosto da vida,
com o seu mais intenso
sabor.

Que sempre haja tempo para os sonhos
em tua vida.

Mar Arável disse...

Por dentro

é sempre mais longe

Juci Barros disse...

Show! E que final!

Beijos.

marcelo dalla disse...

Olá querida!!! Seu blog tá lindo, os poemas realmente maravilhosos. Um intensos e apaixonados, VIDA!!!

Sobre o papo da mudança astrológica, tudo belela. Recomendo este pos do meu amigo e mestre Antonio Rosa: http://cova-do-urso.blogspot.com/2011/01/texto-escrito-conforme-o-acordo.html

bjosssssssss

Assis Freitas disse...

quem dera olhos assim,

beijo

Jorge Pimenta disse...

"Esqueça, que eu já não sangro:
Eu cristalizo fogo na pele."
só mesmo para quem quer "ver de dentro". e tudo o resto é trivial.
beijinho, rendido à maestri com que tocas a questão!

Cris de Souza disse...

visão tácita e tentadora...

belo poema!

beijo, tania.

Fred Caju disse...

Muito bom, vou violetar por aqui mais vezes agora que conheci seu espaço!

Mgomes - Santa Cruz disse...

Tania: Lindo poema e escrito com muito amor, nós sempre e sempre queremos mais e mais.
Essa coisa larga,
Espessa:
Que vista de cima;
Me causa aflição,
Eu quero é ver dentro.
Tudo nos queremos ver, mas nem sempre pode ser assim temos que ter pasciência e ir de vagarinho para chegar-mos ao fim.
Beijos
Santa Cruz

Bípede Falante disse...

Também quero semear o que vem dos ossos e dos olhos.
Que lindo post, Tania :)
bjs