24 de novembro de 2010

Como a Fênix...

Faz um tempo, vi uma irmã ansiosa por saber notícias de um blogueiro que deixara de postar e não respondia a nenhuma mensagem. Descobriram-se e encantaram-se através do blog, das poesias e, por uma dessas coincidências estranhas da vida, o homem foi colega de meu pai (já falecido) há muitos anos. O fato é que o homem sumira sem deixar vestígio. Morrera? - chegou a cogitar ela. Se tivesse morrido, ela imaginava que jamais iria saber, porque aquele era o único canal de comunicação entre o homem e muitos dos seus leitores. Mas...aquilo era injusto! Como podia ser isso, morrer sem deixar aviso, sem deixar contato, sem ter, pelo menos, pressagiado, através de um verso, o seu fim próximo?

Mas...ufa!....o homem reapareceu um dia. Qualquer coisa dessa vida corrida e cheia de imprevistos impediu que ele, por um tempo considerável, se afastasse da blogosfera.

Bem, esse relato é, também, e principalmente, um prelúdio para anunciar-me...viva! Não morri. Ou, sim, talvez tenha morrido. Escorpinianamente, morro muitas vezes. E renasço, como a fênix, um dos símbolos do signo de Escorpião. Ando procurando outras linguagens, outras formas de expressão. Estou fazendo especialização lato sensu em Arteterapia, em fase de estágio. Procurando aprender, também por esse caminho, a fazer versos com o pincel, com a argila, com a voz, com o corpo, com o teatro... O tempo encurta, o foco muda um pouco provisoriamente, morro (nos aspectos que já não servem mais a essa minha etapa da jornada), e renasço. Enquanto isso, espero que um verso se inscreva em mim...Espero que palavras pululem... e vou lendo, silenciosamente, quando o tempo permite, cada um de vocês, com os quais venho também aprendendo muito de mim. Até qualquer momento....

30 comentários:

nydia bonetti disse...

Tania, hoje mesmo estava pensando numa amiga poeta que há mais de um ano deixou de postar, sumiu das redes, sem deixar rastros. Fica mesmo um vazio estranho, quando não há despedidas.
Que bom que voltou. Na hora certa, o verso nos procura. bjo, bem-vinda!

Mai disse...

Tânia,

O mundo virtual tem esta delicadeza ou a fragilidade do que é mais efêmero e estar e deixar de estar é inquietante porque a gente cria laços.
Gostei das novas formas de fazer Arte: "fazer versos com o pincel, com a argila, com a voz, com o corpo, com o teatropoesia"

Fazer Arte é isto.

abraços

Andrea de Godoy Neto disse...

Tânia, saber morrer (e renascer) é de importância vital a quem quer se transformar nesse caminho estranho que é a vida. Conheço na pele essa morte, e esse renasce, e olha que nem sou de escorpião..rs
Querida, importante é que no teu caminho haja luz - de estrelas, do sol, e até de holofotes se for o caso :)

beijo com saudades

Claudinha Antunes BA disse...

E que versos você tem escrito com argila, tintas e voz... Tem sido encantador acompanhar, compartilhar deata belíssima jornada. Sinto-me abençoada!
Bjs, Anjinha querida!

Pablo Rocha disse...

Fiquei emocionado! Gosto tanto do teus escritos. Tua atenção aos que não são seus. Seu jeito verdadeiro adocicado de revelar conflitos tão seus e ao mesmo tempo, sem saber, coletivo. Gosto tanto de passar aqui e ler-te. Hj me emocionei de verdade. Volte sempre e sempre volte. Volte pq quero passar aqui para crescer sempre um pouco mais.

Um super beijo!

Maria Emilia Xavier disse...

Sua procura por outras formas de colocar para fora esse imenso Dom que possuis, bem mostra o ser humano majestoso que és. Essa inquietude interior de se dar ao irmão da melhor forma que se sabe pertence aos grandes corações. Fico por aqui aguardando seu belo poetar e torço para que essa procura e essa inquietude interior nunca parem de te carregar pelos caminhos e que você retorne sempre pejada das belezas com que sempre nos encanta por aqui.

Djabal disse...

Redenção é viver consigo mesmo.
Disse alguém que se chama João Silva.
Tanto ele, quanto você, sabem que o poeta não escreve poesia. Ele a serve quando ela aparece. E assim é o artista. Um servo dela.
Assim, nós, seus leitores, saberão aguardar, mesmo com alguma impaciência, a sua próxima leitura, pincelada, ou palavra. Beijos & felicidades.

Bípede Falante disse...

Ainda bem, né, menina! :)
Eu bem que gostaria de fazer arteterapia e nem precisa ser uma especialização. Só o nome já me inspira.
beijosssssssssssss
Não deixe de dar notícias!

Assis Freitas disse...

é sempre bom o contato com as tuas palavras, saudade


beijo

Assis Freitas disse...

A violeta é introvertida e sua introspecção é profunda.
Dizem que se esconde por modéstia. Não é.
Esconde-se para poder captar o próprio segredo.
Seu quase-não-perfume é glória abafada mas exige da gente que o busque.
Não grita nunca seu perfume.
Violeta diz levezas que não se podem dizer.


Clarice Lispector

Encontrei essa preciosidade no blog da Malu - http://aquinesselugarmesou.blogspot.com/

beijo

Pólen Radioativo disse...

"Esperemos (...)
há fabricas de dias que virão..."
(Neruda)

As imposições do cotidiano são meio insensíveis com a saudade que a gente sente e com a poesia que está ali, em todo canto, aguardando por um olhar mais atento ou mais calmo.

Então... Esperemos...

Só não demore muito, querida!!! Precisamos ler você.

Beijinhos

Carla Diacov disse...

seguindo-te...
com honras violentinas!

rs.


beijo e espero visitas aqui ó:
carladiacov.blogspot.com
larcavodica.blogspot.com
odesimundasdoneochiqueiro.blogspot.com
carlacarlacarlac.multiply.com

Rayuela disse...

Tania! con una amiga bloggera, siempre hablamos de éso...cómo saber qué le pasó a alguien que de pronto desaparece de la blogosfera?

bueno, al margen de eso, me alegra saber que morís y renacés, porque,por lo tanto, te re-conocés, te re-inventás, te re-aprendés.

besos, y hasta pronto*

Marcantonio disse...

Penso muito nisso tudo. Ah, mas fiquei satisfeito de saber das suas atividades! Têm tudo a ver com a sua sensibilidade.

Mas, olhe, se não houvesse aviso de atualização de postagem na lista de blogues, eu teria vindo aqui todos dias na esperança de encontrar uma nova. Finalmente o roxo-violeta apareceu na parte de cima!

É por tão pouco que fênix não soa como 'feliz'

Abraços, Tânia!

Angélica Lins disse...

Simbólico e suave.

Aplausos...

Malu disse...

Olá , Tania !


Muito belo seu escrever ...




Bjo e uma Noite Serena.

lucidreira disse...

O morrer de ausência não é mesmo que morrer da matéria, ainda bem que isso não aconteceu.
Abaixo uma estrofe de uma poesia que a minha irmã escreveu, o título é:

Tua Moldura

"Enfatizo sua imagem, no cerne da mente,
E encontro a tua alma, na ânsia contente,
No desejo ardente, de encontrar-me como gente...
E entrar afluente, sintonizadamente e contente,
Com minha alma gente".
Rita Cidreira

Obrigado por deixa-me a par da tua ausência.

Abraço

Primeira Pessoa disse...

taninha,
morremos todos os dias.
renascemos na manhã seguinte.
é da nossa natureza.

beijo grande,
r.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

então menina escritora "espero que um verso se inscreva em mim.'" e em mim também esteja inscrito na carne mais ardentemente verbial

Rita Contreiras disse...

O bom é saber que ao morrer em algum aspecto renovamos cascas, retiramos máscaras(ou pelo menos usamos outras que cairão ao longo da existência). De qualquer maneira desponta o novo de nós, ainda que não definitivo(graças a Deus!). Bj

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

espero que um verso se inscreva em mim....

que lindo isso, aliás Tania, vc tem um quê de alegria, força e esperança, muito gritantes.... que lindo isso!

A arteterapia, é da Antroposofia?

Olha, eu tbm penso nisso, se algum amigo de blog ou se eu mesma me for....como saberei, e como saberão?

É estranho mesmo.

Querida, tome seu tempo....

Mgomes - Santa Cruz disse...

Tánia: Lindissimo texto, amei mas os amigos virtuais as vezes desaparecem sem deixar rastos, mas a vida é assim mesmo. vou estar ausente uns dias, no meu blog silenciodosmeussonhos estão explicados os mitivos da minha ausencia.
Beijos
Santa Cruz

Machado de Carlos disse...

Interessante o seu relato. Isso realmente acontece com o comportamento humano. De vez em quando passamos por isso. Conheço alguém que se diz doente, muito doente. Uma jovem muito bonita. De vez em quando ela desaparece. Fico imaginando o pior. E quando menos espero; - ei-la que surge das cinzas. Ficara internada por algum tempo para se recuperar. Por isso, acho a Internet estranha; ela une demasiadamente aas pessoas, mas as pessoas nunca nos avisam quando se vão.

Jorge Pimenta disse...

taninha, querida,
este espaço comunicacional concebe uma forma estranha de aproximar as pessoas. fisicamente, o mais que oferece é uma foto minúscula que esconde mais do que revela; emocional e vivencialmente, somos feitos do que dizemos e anunciamos sentir. todavia, nesta semi-bizarrice, quase passamos a viver naquilo que aprendemos sobre os outros, ao ponto de quase adivinharmos sobre de quem é ou sobre o que será o seu post seguinte. confesso que não sucede com todos, mas com um conjunto daqueles que são (ou idealizamos serem) mais afins de cada um de nós. é justamente por isso, por te sentir como parte desse grupo restrito e afectivamente vivo em mim, que me regozijo com o teu regresso!
um beijinho com imensa ternura!

Djabal disse...

"A palavra nasce-me
fere-me
mata-me
coisa-me
ressuscita-me

...

O juízo final
Começa em mim
Nos lindes da
Minha palavra."

Vai aqui a minha contribuição, através do Murilo Mendes, para fixar-lhe o verso. O passar do tempo será o nosso aliado.
Beijos e harmonia.

dade amorim disse...

Lindo isso, Tânia - fazer versos de tantas maneiras diferentes. E agora renascer, para nossa alegria.

Beijo e um final de ano muito muito feliz.

Lua Nova disse...

Olá, Tânia.

Que maravilha esse renascer enriquecida de conhecimentos, de estímulos, de palavras. A reciclagem é um conceito muito mais profundo do que, a princípio, podemos perceber. E quem consegue praticá-la na profundidade do ser, renova-se, recria-se, reage ao tempo e liberta-se de um ocaso sombrio.
Que bom termos sempre sua luz radiante.
Beijokas e um lindo fds.

Jorge Pimenta disse...

um beijinho, tânia querida, perguntando-me para quando o teu regresso...
desejo que estejas bem.

Marinha disse...

Lindo tudo isso aqui!
Parabéns pelo blog! Bom saber que estás viva..rsrs
Um dia de paz e aprendizado.
Bjo

Gabi disse...

Uns dois anos atrás, conheci pela internet um rapaz que mora na Índia. Ficamos muito amigos via chat... confidentes mesmo!
Ele me ligou no meu aniversário para dar parabéns e retribuí o telefonema no dia do aniversário dele, mas só dava caixa postal. Durante semanas ele não apareceu no Gtalk nem no MSN e fiquei mesmo pensando se havia morrido. Não morreu, mas foi quase. Sofreu um acidente de moto, no dia em que completou anos. Ficou internado, mas recuperou-se bem.
Nesse episódio senti o mesmo que sentiu a sua amiga: se ele tivesse morrido, eu jamais saberia. São as novidades desta era que se inicia: fazer amizades a milhares de quilômetros de distância e poder perdê-las sem aviso, sem direito a notícia ou telefonema.
Mas a vida é assim, cheia de mortes e renascimentos. Estou como você: morrendo e renascendo todos os dias. E olha que nem sou escorpiana!