16 de novembro de 2012

Anjo ébrio






Embriaguei
o anjo que me guarda
porque anjo lúcido me cansa.

 Pinta essas asas de sangue
encurta a roupa e mostra
o contorno das tuas pernas
dança a dança dos profanos
senta e toma mais um trago.

Embriaguei
o anjo que me guarda
porque anjo lúcido
não caminha nos becos fétidos
por onde caminho.

Era madrugada
quando meu anjo
cambaleante
gritava:
 - eu não sou anjo
sou agora passarinho.

E gorjeava o anjo
asas amassadas
halo despencado
iluminando nossos pés
ébrios...

18 comentários:

Sarah Moustafa disse...


Gostei! =))

Poesia de requinte

se quiser visitar o meu espaço e espreitar o que escrevo aqui fica o endereço!

http://lualibra.blogspot.pt/

xoxo

Sarah

eurico portugal disse...

o espírito do vinho pontuando a vertigem dos [des]caminhos.

beijo, taninha!

José Carlos Sant Anna disse...

Adorei este anjo de asas caídas por mais um trago, Tânia.
Gostei da escolha dos tempos verbais em cada estrofe, o que leva o leitor à circularidade do poema, pois já começa com uma ação pretérita, para finalizar com um gerúndio, sugerindo uma ação contínua.
beijoss,


Domingos Barroso disse...

Ah, é um poema assim que penso
tatuar no meu peito
...

beijo carinhoso,
Tânia.

Primeira Pessoa disse...

um video-poema, essa invenção sua, taninha.
ainda haverei de lhe "encaixar" uma canção.

beijão,
r.

Ira Buscacio disse...

Andamos caminhando pelo mesmo beco,
o fétido, ainda bem
Um poema de bambear pernas
bj grande

Tatiana disse...

Uau, Tania. Adorei! Anjo lúcido, sozinho, é parcial e inexperiente. Tem que ouvir tb a voz profana para equilibrar os conselhos.
Que os anjos todos te guardem, querida!

Lu Cidreira disse...

Acho até que o meu anjo só anda embriagado, pois parece que cansou da minha companhia, risadas.
Esses anjos!!!
Abraço

dade amorim disse...

Será mesmo verdade o que dizem dos anjos?
Às vezes acho que eles podem sair daquela linha rígida de que se fala, e até perder a postura tão cansativa que lhes atribuem...
Beijo, Tania.

Carlos Souza disse...

Tu és muito talentosa, Tania. Sem palavras...

R. Vieira disse...

Gosto muito da tua intensidade na escrita. Que beleza!!!!

Um beijo!!!

Assis Freitas disse...

anjo embriagado de asas, lume e fervor em gorjeio,





beijjo

Bípede Falante disse...

Queria trocar de alma e de poesia.
Mas troco de anjo, de pássaro e de gaiola e bebo copos e copos de mundo adentro e de mundo afora.

Beijos, Tânia!!

Joelma B. disse...

huumm! não tinha pensado nisso!anjo embriagado acaba em lira explosiva!

Beijo,beijo!

Sônia Brandão disse...

Tania, gostei desse anjo trôpego, de asas amassadas, pensando ser passarinho. Li,reli, e fiquei imaginando um anjo assim.

bjs

M. disse...

Um poema muito belo. Amei as imagens, dancei com elas. Bjs

Márcia Luz disse...

Vestido vermelho e anjo embriagada... combinação perfeita!

Beijos

AC disse...

Há um prazer muito próprio em fazer acontecer a luz, onde ela, supostamente, não existe. E basta uma chispa para que tudo fique em causa.
Maravilhoso, Tânia!

Beijo :)