28 de dezembro de 2010

Amigos que vieram das nuvens


Não gosto e nem costumo mandar mensagens de fim de ano. Acho que é porque não acredito em fins de ano. Sequer acredito em fins. De fato, o ano, na minha percepção, não acaba nunca. É um constante fluir ininterrupto. Mas às vezes entro, sem querer, no clima das mensagens de final de ano. Estava exatamente pensando na mensagem que postaria, como seria, quando, ouvindo Françoise Hardy, encontrei o tom que buscava.

Na música L’amitié, os versos iniciais dizem:

Muitos de meus amigos vieram das nuvens,
Com o sol e a chuva como bagagem.
Fizeram a estação da amizade sincera,
A mais bela das quatro estações da terra.


Era isso que eu queria dizer exatamente: muitos de meus amigos, aqui na blogosfera, vieram das nuvens, com certeza. São poetas que trouxeram do Alto a revelação que é a poesia. Lembro aqui de alguns: Roberto, do Primeira Pessoa, Zélia, e o seu ad litteram, Marquinhos, com o Diário e o Azul, Andrea Godoy, do Olhar em versos e inversos, o Jorge Pimenta, com seu Viagens de luz e sombra, o Pablo, com seu Viver em Palavras, a maravilhosa Helena Bípede Falante , a Wal, com o seu Céu aberto, o Leonardo com o sua Barca dos Amantes, acho lindo esse nome... enfim, há o Edney, com o Non, Je ne regrette rien, o Assis com seus 1001 poemas...nossa, acho que muitos de meus amigos aqui vieram mesmo das nuvens! E há muitos outros tantos ainda. São sonhadores, criadores, um tanto estranhos, é verdade, porque falam com poesia e muitos são de tanta originalidade que parecem habitar uma realidade paralela a essa. Vocês são, como diz a música, os meus amigos que vieram das nuvens com o sol e a chuva como bagagem. Assim caminham os poetas. Esta é única bagagem que, de fato, carregam.
Eu desejo aos meus amigos que vieram das nuvens que possam continuar, em 2011, trazendo essa inpiração divina em versos e prosa. E que sonhem, sonhem muito...
Obrigada pela companhia.

Feliz existência!

... e ouçam L'amitié, com Françoise Hardy

http://video.yandex.ru/users/france-chanson/view/260/user-tag/michel%20delpech/




L'amitié (Françoise Hardy) -Tradução

Muitos de meus amigos vieram das nuvens,
Com o sol e a chuva como bagagem.
Fizeram a estação da amizade sincera,
A mais bela das quatro estações da terra.


Têm a doçura das mais belas paisagens,
E a fidelidade dos pássaros migradores.
E em seu coração está gravada uma ternura infinita,
Mas, às vezes, uma tristeza aparece em seus olhos.


Então, vêm se aquecer comigo,
e você também virá.


Poderá retornar às nuvens,
E sorrir de novo a outros rostos,
Distribuir à sua volta um pouco da sua ternura,
Quando alguem quiser esconder sua tristeza.


Como não sabemos o que a vida nos dá,
Talvez eu não seja mais ninguém.
Se me resta um amigo que realmente me compreenda,
Me esquecerei das lágrimas e penas.


Então, talvez eu vá até você aquecer
Meu coração com sua chama.

17 comentários:

Pablo Rocha disse...

Que essa nuvem faça chuver sobre todos todo sentimento maravilhos que demosntra em sua mensagem, Tania. Vc tem um jeitinho especial demais que não defino com clareza mas atrai o que há de bom em mim.

Tudo em dobro pra você, moça luz.

Beijos!

BUTEQUEIRO disse...

Belíssima mensagem. Adoraria somar-me em agregação a tais nuvens.
Meu carinho.

Grasi disse...

Mensagem linnnnda!
Bjão e uma quarta super iluminada:)

Assis Freitas disse...

vc não veio da nuvem Tania, vc é nuvem de encantamento. tuas palavras sempre me fazem carinho

beijo e tudo de bom, e de muito bom também

Claudinha Antunes BA disse...

Taninha, minha Anjinha Amada!
Eu, que tb perambulo em busca da palavra única, encontro aqui e no seu convívio alimento para minha alma.
Sou grata por poder beber da sua sensibilidade e entrega, por poder colher violetas que vc espalha em seu caminho.
FELIZ VOCÊ NOVA A CADA DIA!
Compartilho do seu sentimento em relação a "fins de ano", mas tenho procurado usufruir desta força cósmica que emana da comunhão de vontades e intenções.
Beijinhos de Anjo

Leonardo B. disse...

… que o novo ano que se aproxima seja tão somente uma nova etapa, uma parte do percurso que se possa revelar como uma boa colheita do que fomos semeando ao longo dos tempos. Tudo o mais, só posso comungar desse sentimento, desse lugar especial de que os amigos vieram e são como as nuvens, que nunca se apartam!

Um imenso, imenso abraço
que possa conter essa abundância que chamamos amizade e admiração, Tânia

LB

Machado de Carlos disse...

Assim como dizia Olavo Bilac que conversava com as Estrelas. Parece Loucura, ouvir estrelas, mas são coisas de Poetas, principalmente o Imortal Olavo Bilac

Ouvir Estrelas
"Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto...

E conversamos toda noite, enquanto
A Via Láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir o sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: "Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizes, quando não estão contigo?"

E eu vos direi: "Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas".

A.S. disse...

Tânia,

Caído das nuvens, desejo-te uma Feliz Existência, esperando que continues a deliciar-nos com os teus belos textos!

Beijos...
AL

Juan Moravagine Carneiro disse...

Um imenso abraço para ti

e muitas felicidades para vc e para os seus e lhe aguardo no Rembrandt em 2011...rsr

Jorge Pimenta disse...

taninha,
em 2011 prometo por cá andar, com maior ou menor assiduidade (as contingências estão tantas vezes para lá da vontade individual). enquanto esta tertúlia fizer sentido, não há por que desistir; enquanto a composição dos sonhos exigir a poesia, não há por que não porfiar.
obrigado pela companhia e pela ternura das tuas palavras a toda a hora, tanto aqui quanto um pouco por toda a blogosfera.
um beijinho com votos de felicidades para o ano que hoje nos visita! deixemos que nos caiba na medida certa das nossas mãos.

Costea disse...

Happy New Year!

Primeira Pessoa disse...

taninha,
venho beijar você e desejar (de alma) que o ano novo seja lindo e feliz.

como disse ao assis, ao jorge, à andrea (e mais uns dois ou três), a amizade de vocês foi do melhor que me aconteceu em 2010.

voces são da prateleira de cima.

beijo grande do

roberto.

Marcantonio disse...

Somos uma confraria de nefelibatas, então. E olha que tenho medo de altura!

Tânia, há coisas maiores que a poesia, talvez ela seja um espelho que nos devolva um inesperado reflexo de nós mesmos como reinvestimento de energia vital, de prazer de estar vivo. Não nos furtamos de nos revelar de algum modo através da escrita. Eu suponho sentir o que há por trás de um blog, o temperamento, a sensibilidade, a humanidade, esse misto de certezas e dúvidas que nos faz solidários, a generosidade, os ideais e, claro, a amizade, que só é virtual por questões geográficas. E falei disso tudo pensando em você. Afinal, nesse meu ano de blogosfera, privar de alguma forma do seu convívio, foi muito bom, diria fundamental para mim.

Que você tenha um belíssimo ano de 2011. Aliás, você está certa: feliz existência!

Um beijo.

F@bio Roch@ disse...

Belíssimo espaço... gostei muito!!

Já te sigo!!...se puder, visita minha página, seria uma honra tê-la como seguidora.

MUITA PAZ...

Renata Bezerra disse...

Tania...

Penso assim também. Que não existem ao certo começos e finais, e sim continuações. A vida é cíclica.

Obrigada pelas lindas palavras lá no meu blog.

Um excelente 2011 pra ti, querida.

Anônimo disse...

De minha parte, espero que eu não seja uma "nuvem passageira", até e porque, sou amigo do vento:
Esse mesmo vento que lhe sopra palavras, cantigas, prosas e poesias!...

Sam.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Ah Tania, adoro teu jeito, não me canso de dizer isso, porque sempre me maravilho. Não é algo que rolou e eu me lembro. Sempre vc me encanta.

Que lindo eu me sentir assim, vinda das nuvens, com a chuva e o sol na bagagem.... Atestando mais uma vez, como a amizade é a mais bela forma de amor.

te agradeço mil vezes pela amizade, e por todas as coisas bonitas que essa palavra encerra....

encerra, mas não tem fim!